WeCreativez WhatsApp Support
Nossa Equipe está aqui para responder às suas perguntas.
Oi, como podemos ajudar?

Estatal PETROPAR terá frota fluvial própria para transporte de combustíveis no Paraguai

Mais de um milhão de jovens acessam a Internet pelo Celular no Paraguai
10 de agosto de 2010
Créditos crescem 25% e alcançam USD 7,4 bilhões no I Semestre
10 de agosto de 2010
Exibir tudo

Estatal PETROPAR terá frota fluvial própria para transporte de combustíveis no Paraguai

Petropar

Petropar

A estatal paraguaia de petróleo PETROPAR irá contratar estaleiros locais para construir doze navios-tanque e dois rebocadores para o transporte de combustível desde o Rio da Prata até seus tanques em Asunción.
Até 2012, 25% do total de combustíveis e ser transportado será feito através de uma frota própria, dando maior segurança ao fornecimento regular de combustíveis, especialmente diesel, uma vez que a PETROPAR detêm 80% deste mercado.

O contrato será de aproximadamente USD 27 milhões, e a empresa espera economizar até USD 24 milhões ao ano em fretes.

As primeiras embarcações devem ser entregues já em 2011.

A decisão de realizar este investimento deve-se ao encarecimento do preço do frete em quase 80% nos últimos três anos.

Na atualidade, a estatal PETROPAR gasta USD 54 milhões anualmente na contratação de frete junto a armadores fluviais privados.

Auge da indústria naval paraguaia

A escolha dos estaleiros locais reforça o auge que vem experimentando a indústria naval local, que na atualidade emprega mais de 2.000 trabalhadores em forma direta.
Este auge deve-se, principalmente, ao desenvolvimento do transporte da hidrovia Paraná-Paraguai, que este ano deve transportar 18 milhões de toneladas de cargas do Brasil, Bolívia e Paraguai, com destino aos portos do Rio da Prata, e vice-versa.

Os armadores paraguaios possuem 90% da frota da Hidrovia, e gigantes do agronegócio como Cargill, ADM e Louis Dreyfus, têm aumentado sua frota preferencialmente através dos estaleiros guaranis, que possuem os preços mais competitivos da região.

Fonte: Revista Enfoque Económico.

Os comentários estão encerrados.

EnglishPortugueseSpanish